ARRASADO pelo vírus pandêmico e pelo VERME de Brasília, o parquinho Brasil pega fogo de vez, com a nova edição do BBB, o que faz o blog zapper entrar no debate: o ativismo identitário RADICAL FODE a esquerda e as justíssimas lutas anti racismo e anti homofobia?

Confira também esta matéria em áudio!

Com o Brasil literalmente arrasado pela pandemia e pelo DESgoverno federal, a tv Globo ajuda a INCINERAR de vez o país com a nova edição do seu reality show BBB, onde existe até o “quarteto do mal” (acima), formado pelos rappers Karol Conká e Projota, o humorista Nego Di e a psicóloga Lumena (acima); e ao menos e mesmo enquanto o rock mundial AGONIZA, os Foo Fighters (abaixo) voltam com um disco bacanudo

Tempos mega sombrios no país arrasado pela pandemia e pelo VERME governamental de Brasília. E como sempre pode piorar, ainda tem uma nova e cancerígena edição do reality show da Globo, o Big Brother Brasil, incendiando ainda mais o Brasil, dividindo ainda mais uma sociedade e um povo já ultra divididos e polarizados e SABOTANDO o ativismo identitário tão caro à esquerda, nas justíssimas lutas contra o racismo sórdido e estrutural (e que avança cada vez mais por aqui), a homofobia, a misoginia e o machismo ultra tóxico. Nesta edição Zapnroll abre o debate e fala sobre isso, mas também traz doces recordações da terceira edição do festival Rock In Rio (que aconteceu há vinte anos, em janeiro de 2001) e ainda celebra os trinta anos de existência de alguns dos maiores e melhores álbuns de toda a história do rock mundial. Fora que também tem mais uma edição fodíssima do nosso podcast zapper. Então vem com a gente e bora ler e ouvir o blog e podcast de cultura pop mais legal da web BR há quase duas décadas!

INCÊNDIO DEVORANDO O “PARQUE” BRASIL: ENQUANTO O PAÍS É ARRASADO PELO VÍRUS E PELO VERME DE BRASÍLIA, UM REALITY SHOW TELEVISIVO SINISTRO E DO INFERNO AMEAÇA O ATIVISMO IDENTITÁRIO E AS JUSTAS LUTAS ANTI RACISMO E ANTI HOMOFOBIA NO ARRUINADO BANANÃO TROPICAL

Não está nada fácil ser brasileiro e viver no Brasil neste começo de um 2021 que se prenuncia (por enquanto), novamente, absolutamente aterrador e sombrio. Com a pandemia fora de controle no país, a taxa diária de LETALIDADE da Covid está em quase 1.500 MORTOS há mais de vinte dias, o que desvela que não irá demorar muito para que o número total de vidas perdidas chegue ao impressionante número de 250.000. Governo central NÃO HÁ (há, como todos sabemos, um boçal, sociopata e psicopata, negacionista da pandemia e GENOCIDA, travestido de presidente da república, alçado ao cargo pelo voto de 57 milhões de selvagens que se sentem representados por ele porque SÃO IGUAIS a ele no comportamento tosco, na ignorância, no conservadorismo medieval, na hipocrisia e no mau caratismo pleno). Idem em se tratando de Ministério Da Saúde. A vacinação contra a pandemia já foi iniciada mas segue a duras penas e em passo de tartaruga. Com isso a economia também definha: a atividade econômica não consegue reagir positivamente, há 14 milhões de desempregados espalhados pelo Brasil e milhões de brasileiros estão voltando à linha da pobreza absoluta. Não só: a gasolina já teve três aumentos apenas este ano (o litro está beirando as seis pilas em algumas cidades), o botijão de gás está batendo em 100 mangos e toda essa TEMPESTADE PERFEITA, por fim, ganhou um componente adicional e EXPLOSIVO há cerca de três semanas, quando teve início (como ocorre em todos os começos de ano, há duas décadas) mais uma edição do reality show Big Brother Brasil, na tv Globo. O que era para ser pura diversão e entretenimento, uma válvula de escape salvadora para o público médio se distrair nos finais de noite e esquecer ao menos por alguns momentos todo o horror pelo qual o país está passando, se tornou um dos exemplos mais deploráveis públicos e em rede nacional de televisão de como a nação está dividida, corroída e cada vez mais cindida entre o que ainda nos resta de civilização e a barbárie total. Pior: alguns integrantes que estão confinados na casa do BBB e que deveriam dar exemplo de empatia, solidariedade e de defesa de lutas hoje tão caras à sociedade (como o ativismo em favor das pautas identitárias, em favor dos negros e da nação lgbtqui+, e contra o racismo e a homofobia estruturais que ENVERGONHAM o povo brasileiro) por serem justamente negros e (alguns deles) artistas conhecidos do grande público, estão mostrando sua verdadeira e desumana face: deixaram cair suas máscaras e estão se portando justamente da maneira que representa tudo aquilo que eles diziam combater. O público que acompanha o programa (e formado por milhões de pessoas) se inflamou (contra ou a favor) em relação ao que está assistindo diariamente e o resultado não demorou a aparecer: mais divisão social e comportamental numa população já ultra dividida, mais demonstrações de puro ódio e julgamentos sumários em tribunais de redes sociais, mais pedidos de “cancelamento” (essa palavra tão em moda atualmente) de artistas e pessoas comuns e uma ameaça explícita ao ativismo sério e equilibrado em favor de temas igualmente sérios (novamente: luta contra o racismo, contra a homofobia etc.) com rompantes ultra autoritários (típicos dos governos ditatoriais de direita) onde o que mais se ouve são frases como “cala a sua boca!” ou “aqui NÃO É O SEU LUGAR DE FALA!”. É o “parque” Brasil sendo, literalmente, INCINERADO pela pandemia, pela crise econômica e… pelo Big Bosta Brasil.

Por que estas linhas bloggers estão dando destaque para esse assunto, sendo que este espaço sempre foi muito mais voltado à cultura pop e ao rocknroll? Por alguns motivos. O principal deles: por mais que o autor deste espaço blog ABOMINE o reality show (e jamais tenha assistido a alguma edição por completo; quando muito, acompanhou de relance alguns momentos das edições anteriores ou alguma final mais impactante. Como quando o ex-deputado federal Jean Wyllys ganhou com total merecimento a edição da qual participou. Gay, ativista de esquerda, professor e poeta, Wyllys quando levou o prêmio maior do BBB nos fez acreditar que o Brasil estava tomando um rumo bem mais moderno, progressista e civilizatório em termos de nação e sociedade, mas infelizmente essa impressão bacana durou muito pouco, como todos que acompanharam as edições seguintes viram – em uma delas, o grande prêmio foi dado a uma perua loira, gostosona e abertamente RACISTA, como ela mesma fazia e fez questão de jamais esconder), se tornou verdadeiramente impossível ficar imune à edição 2021 do programa, tamanha a repercussão que ele está causando em redes sociais, portais de notícias (como Uol, G1 etc.) e na vida cotidiana de milhões de brasileiros. Como é um espaço de cultura pop mas TAMBÉM de comportamento e sociedade, Zapnroll se viu quase que obrigada a falar no assunto, ainda mais pelos motivos bastante desabonadores pelos quais o reality show está incendiando o país.

O que nos leva ao ponto central deste post, o principal desta edição do blog zapper – de resto, já havíamos abordado o tema BBB na semana passada, achando que não seria mais necessário voltar ao mesmo aqui. Mas a situação dentro da “casa” do BBB piorou muito de lá pra cá, e parece estar fugindo do controle dos que produzem e dirigem o programa. Nunca se saberá qual terá sido a REAL intenção da direção da Globo ao fazer a escalação da edição deste ano do reality. Oficialmente, a intenção era dar o maior espaço possível a participantes NEGROS ou LGBTQI+, numa tentativa de tornar o programa mais atual e próximo de milhões de brasileiros gays ou da raça negra e que não se sentiam representados ali. Mas o que começou a se verificar foi que a Globo (propositadamente ou não) deu um tiro no próprio pé: participantes como a rapper curitibana Karol Conká (que, este jornalista assume, nunca nos causou nenhuma comoção com o seu trabalho musical, que perde longe em termos de potência sonora e textual para o rap dos Racionais, do saudoso Sabotage ou mesmo do novato Baco Exú do Blues), a psicóloga baiana, negra e lésbica, Lumena (até então uma ilustre desconhecida), o humorista Nego Di (idem, até então um quase total desconhecido) e o rapper paulistano Projota (outro nome do rap nacional atual pelo qual o blog não tem o menor apreço pelo seu trabalho musical) começaram a dar show de horror durante o programa, com ataques explícitos de racismo (!!!), xenofobia (contra uma participante paraibana do programa) e até abuso psicológico pesado contra um dos integrantes – no caso, o jovem paulistano negro, bissexual e poeta Lucas, que foi tão perseguido e humilhado por Karol Conká que não resistiu e pediu pra sair do reality show. O lado positivo dessa perseguição foi que o guri se tornou celebridade da noite para o dia, e foi recebido como herói pelos amigos e vizinhos da sua rua, quando chegou em casa.

Os rappers Karol Conká (acima) e Projota (abaixo): dois integrantes do “quarteto do mal”, que está aprontando tudo o que pode (de ruim) dentro da casa da edição deste ano do Big Brother Brasil

E dentro do confinamento do BBB, os problemas continuaram e continuam sendo que já há quem esteja apelando para teorias da conspiração, e achando que a intenção da Globo talvez tenha sido essa mesma: escolher alguns representantes da diversidade racial e sexual e dar liberdade aos mesmos para que eles próprios (imaginem…) ATACASSEM questões que eles deveriam na verdade DEFENDER, como o anti racimo, a anti homofobia e as pautas do ativismo identitário, tão caras e amadas pela esquerda e tão odiadas pela extrema direita BURRA e selvagem brasileira. Seria mais ou menos como se a emissora dos Marinho tivesse convidado a participar do programa o atual presidente da Fundação Palmares (aquele lamentável ser humano chamado SC), um negro ALTAMENTE RACISTA com a própria raça, e que já chamou o movimento negro brasileiro de “escória maldita”.

Mas nem foi preciso convidar esse ser deplorável para entrar no BBB 21. Karol Conká, Projota, Nego Di e Lumena (que já foram apelidados de “quarteto do mal”) estão fazendo o “serviço sujo” contra o ativismo identitário de esquerda, levando o mesmo a um perigoso esfacelamento de ideias e de seu combate ao racismo, à xenofobia, à homofobia, à misoginia e ao machismo estrutural que impera, nesse momento e infelizmente, cada vez mais no tecido social nacional, muito graças aos exemplos emitidos pelo atual presidente do país.

A conclusão a que chegamos, infelizmente, é essa: a edição deste ano do Big Brother Brasil, além de não contribuir em NADA para trazer alguns momentos de alívio emocional a quem o assiste, ainda acirrou de maneira exponencial as divisões ideológicas, comportamentais, de pensamento e de defesa dos direitos sociais do povo brasileiro. Que assiste a tudo isso dividido ao meio: uns apoiando o show de horror mostrado pelo programa (que ainda inclui um cantor sertanojo ultra machista e homofóbico), outros (felizmente) condenando o mesmo. Mas uma vítima nisso tudo já é bastante visível (para alegria da selvagem extrema direita conservadora brazuca): o ativismo identitário de esquerda, anti racista e anti homofóbico. Como ele ficará daqui para frente é o que muitos se perguntam. E como o BBB está MINANDO esse ativismo, permitindo atitudes contrárias de quem mais deveria fortalece-lo, é o que o blog perguntou a alguns queridos amigos, muito próximos deste jornalista há anos. E cujas respostas e análises você lê aí embaixo.

COMO A ATUAL EDIÇÃO DO BBB GLOBAL ESTÁ MINANDO O ATIVISMO IDENTITÁRIO DE ESQUERDA – ELES (AS) OPINAM

***Helena Lucas, 30 anos, formada em Letras pela Unifesp, pós graduanda na Puc, ativista negra e professora de cursinho popular na zona leste paulsitana – Eu tenho ouvido (porque não tenho paciência para assistir) sobre todas as peripécias causadas pelo comportamento de uma parte do elenco negro desse reality show como Nego Di, Karol Conká, Projota e Lumena e cada vez fico agoniada e com raiva em ver como o “cidadão Kane” utiliza todos os mecanismos para sustentar e manipular as práticas e hábitos sociais brasileiros. Primeiramente, não me animei quando vi a porcentagem de participantes negros em reality show como BBB porque o programa é exibido em uma emissora que declarou abertamente o apoio à repressão militar; teve também um certo diretor que passou por cima de todos os problemas estruturais que afetam o nosso modo de organização sócio-político e econômico nacional devido ao caráter ideologizante do lusotropicalismo (a falácia da democracia racial) que atravessam a contemporaneidade, no maior estilo “agora o racismo acabou”, entre outros absurdos orquestrados e legitimados pela rede plim-plim. As atitudes desses brothers and sisters em nada se equipara à luta e a memória dos movimentos e resistências negras ocorridas no Brasil ao longo de vários séculos. É ultrajante quando algum deles esvaziam conceitos e utilizam as pautas antirracistas somente para preservar o seu individual em busca da conquista de um milhão e meio de reais. Não que “na vida real” eles não tenham sido atingidos pela hegemonia eurocêntrica ao simplesmente se impor como um sujeito negro e consciente, mas silenciar e violentar os outros por causa de um prêmio é uma tremenda falta de comprometimento e ausência de caráter, além de replicar a mesma conduta que te oprime e te impede de usufruir direitos mínimos.

***André Pomba, 56 anos, músico, produtor cultural, jornalista e ativista lgbtqui+ – Primeiro quero deixar claro que acho que temas como empoderamento e representatividade são mais do que necessários e bem vindos. Mas, como já dizia Paulo Freire, “quando a educação não é libertadora, o sonho do oprimido é ser opressor”. E justamente a questão da falta de educação e diálogo, é que fez o surgimento dessa militância tóxica, em que a pauta identitária se tornou neurose e quer se impor a fórceps e aos gritos. O poder de fala se tornou o poder de “cala”. Um amigo meu, petista de carteirinha, disse para mim que se eu reclamava da atuação deles, com o radicalismo “cancelador” do Psol será bem pior e realmente está sendo. Esse fenômeno que já invadiu as redes sociais, agora ficou mais visível por conta do programa Big Brother Brasil. Então uma pauta que poderia ser engrandecedora e educativa passou a ser repelida, além de ajudar a direita a se armar como contraponto e se cacifar. Não existem só haters na direita. Os haters de esquerda também não sabem conviver com as diferenças e divergências. A pauta é só reproduzir o CtrlC CtrlV vigente tentando empurrar goela abaixo conceitos que demandariam mais diálogo para serem fortalecidos numa discussão. Uma pena. E antes que eu esqueça, Finas, sou bissexual e não gay. Sem apagamentos por favor, ahaha.

***Nathália Do Vale, 31 anos, instrumentista cirúrgica, nutricionista, negra, mãe solo e ativista de esquerda – A distorção do ativismo é o que está acontecendo dentro dessa edição do BBB. Hoje, infelizmente, as pessoas estão mais preocupadas com lacração e likes do que com o real sentido da militância, seja ela qual for. Com isso, podemos notar a falta de foco e entendimento. A militância luta por igualdade, não por superioridade! A luta das mulheres negras e da população negra como um todo vem de séculos. Aos poucos, fomos conquistando espaço e ainda sofremos represálias. O que vem acontecendo dentro do reality causa um retrocesso e enfraquece a luta da real militância. Tenho uma análise mais profunda sobre isso. De alguns anos pra cá, muitos acordaram e perceberam que lutar por justiça e se posicionar não é “mi mi mi”. O que esse programa e, em especial, as participantes Karol e Lumena estão fazendo, é fortalecer a tese do tal “mi mi mi”, estão confundindo caráter com ideais. Ok, nem tudo é preconceito de fato, mas nós sabemos quando é. Posso estar equivocada, mas acredito que exista algo mais profundo nisso.

EM VÍDEO, O JORNALISTA REINALDO AZEVEDO, ESCULACHA SEM DÓ A EDIÇÃO DESTE ANO DO BIG BROTHER BRASIL

Quem diria que um dia o autor deste blog iria postar, aqui, um vídeo com alguma análise feita por… Reinaldo Azevedo, ulalá! Um dos maiores e mais ferozes inimigos da esquerda brasileira e do petismo, Reinaldo já cansou de irritar Finaski com suas análises e comentários. Mas não é que, de tempos pra cá, ele tem mostrado uma lucidez digna de aplausos em seus comentários políticos ou comportamentais? Por isso mesmo resolvemos colocar aí embaixo o vídeo onde ele, durante quase 17 minutos, fuzila sem dó a atual edição do reality show da tv Globo.

Pode assistir sem susto.

O AINDA GIGANTE DO ROCK FOO FIGHTERS LANÇA SEU DÉCIMO DISCO E VOLTA BEM, MAS SEM NOVIDADES EM “MEDICINE AT MIDINIGHT”

Yep, o ainda grande, velho e muito bom Foo Fighters, eternamente liderado pelo gente finíssima vocalista e guitarrista Dave Grohl, lançou na semana passada seu novo álbum de estúdio, o décimo em vinte e cinco anos de trajetória da banda americana. O blog inclusive falou rapidamente de “Medicine At Midnight” em nosso último post, disponibilizando o disco para audição via Spotify. Mas ainda não havíamos conseguido escutar o trabalho com a atenção que ele certamente merecia e merece. Bien, agora fizemos isso.

É um bom disco do FF. Não vai salvar o mundo, não vai mudar a vida de ninguém e nem mesmo da própria banda. Mas com músicos excelentes (o guitarrista Pat Smear, o baixista Nate Mendel e o batera Taylor Hawkins), tarimbados e que já estão tocando juntos há décadas, não fica muito difícil gravar e lançar um álbum bacanudo. E nesse quesito “Medicine…” cumpre bem sua função: mostra que o grande rocknroll (aquele que mobiliza multidões em shows em estádios, algo que somente será possível novamente após o fim da pandemia do corona vírus) ainda sobrevive, mas provavelmente apenas através das obras de grupos que já estão com vinte e cinco ou mais anos de existência. Além disso o FF deu uma atualizada no seu som, tornando-o mais swingado, como pode ser ouvido em “Making A Fire”, “Shame Shame” ou na própria faixa-título. E no quesito bucolismo, Dave mostra sensibilidade suficiente para compor uma bonita balada, caso de “Chasing Birds”. Já “Love Dies Young” (que fecha o cd) nos remete ao início da banda, quando ela lançou seu primeiro disco em 1995 (e que foi gravado inteiramente e solitariamente por Grohl), com uma sonoridade mais garageira e grunge, e que ainda trazia resquícios do recém extinto Nirvana, o inesquecível trio liderado pelo saudoso Kurt Cobain e onde Dave se revelou (como baterista) para o rock mundial.

O novo disco dos Foo Fighters: disco bonzão de uma banda já veterana

É sempre bom lembrar que estamos falando de um (atualmente) sexteto já com vinte e cinco anos de estrada. E Dave Grohl já está com 5.2 nas costas. Só por isso e pelo que se escuta em “Medicine At Midnight”, já podemos dar um bom crédito ao mesmo.

FOO FIGHTERS AÍ EMBAIXO

No vídeo da faixa-título de seu novo disco

Opa, mais uma edição bacaníssima de nosso podcast, dentro da Zapnroll blog e plataforma multimídia! E dessa vez ele está ainda maior e mais recheado: tem bate papos legais com o músico Mateus Cursino (da banda mineira Pedro Bala & Os Holofotes) e com o produtor e agitador cultural carioca Léo Rocha. Tem também sons do novo álbum dos Foo Fighters e Finaski recordando os trinta anos de grandes discos da história do rock mundial, além dos vinte anos da terceira edição do Rock In Rio, que aconteceu em janeiro de 2001 e que talvez tenha sido realmente a última edição do RIR que valeu a pena.

Prepara uma gin tônica aê, se coloca no conforto do sofá (ou da sua cama ou de uma poltrona) e boa audição!

RAPIDINHA ZAPPER – 20 ANOS DE UM RIR INESQUECÍVEL!

***sim, dá mesmo muita saudade do Rock In Rio III, que aconteceu em janeiro de 2001 – há vinte anos, portanto. Teve Oasis, teve Red Hot Chili Peppers, teve Queens Of The Stone Age, teve Neil Young, Beck e os caralho, todos no AUGE de suas carreiras. E teve a INESQUECÍVEL noite de 13 de janeiro, quando tocaram Beck, Foo Fighters e REM – e sim, Zapnroll esteve lá e curtiu aquela noite-madrugada inesquecível chapado de marijuana e ácido. De modos que, como o tempo não volta jamais, o que nos resta é recordar estes momentos gigantes de nossa existência, e que nunca mais irão se repetir. Assim, pra encerrar bem este post, deixamos aí embaixo dois vídeos com os shows completos dos Foo Fighters e do REM em 13 de janeiro de 2001, na terceira e talvez última edição que valeu a pena do hoje bundão e mega comercial Rock In Rio.

E OLHA SÓ! A VOLTA DOS SORTEIOS ZAPPERS, COM MIMOS PRO NOSSO DILETO LEITORADO!

Yeeeeesssss! Não é por que estamos na era digital ultra tecnológica que vamos deixar de fazer gentilezas para o nosso dileto leitorado. Assim, quando surgir algo bacana que possamos sortear pra vocês, iremos fazer isso. Pode ser um livro, um cd (ainda) ou o hoje novamente cultuado e cobiçado disco de vinil (o velho LP), que todos amam. Mas o prêmio será sempre uma obra cultural em formato físico, beleusma? Então já dando a largada na parada, o blog coloca (em parceria com o selo curitibano Volts, do queridão e chapa Marcelo Crivano) em sorteio uma CÓPIA em VINIL do novo e ótimo álbum da banda Criaturas. O disco, que se chama “Vestígios”, saiu no final do ano passado e tem como abertura a sensacional “Sunday”, um dos singles power pop mais lindos que este espaço rocker teve o prazer de ouvir nos últimos anos. E para participar é muito simples: manda um alô aí embaixo, nos comentários, ou então para hfinatti@gmail.com, pedindo o mimo de presente. Semana que vem damos o resultado aqui de quem venceu a promo, ok?

E TCHAU PRA QUEM FICA!

Semana que vem estamos de volta com o blog, com o podcast e TAMBÉM com a volta das lives semanais de Finaski nas redes sociais, começando pelo Facebook na próxima sexta-feira, dez e meia da noite. Até lá! Bom NÃO carnaval para todos e, se possível, FIQUEM EM CASA!

(enviado por Finatti em 12-2-2021, às 20:15hs.)

27180cookie-checkARRASADO pelo vírus pandêmico e pelo VERME de Brasília, o parquinho Brasil pega fogo de vez, com a nova edição do BBB, o que faz o blog zapper entrar no debate: o ativismo identitário RADICAL FODE a esquerda e as justíssimas lutas anti racismo e anti homofobia?
Tags , , , , , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.
5 1 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
17 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mateus Cursino de Souza
Mateus Cursino de Souza
16 dias atrás

Boaaa, tamo junto!

Valdir Angeli
Valdir Angeli
14 dias atrás

O BBB é o reflexo dessa esquerda porcaria lacradora do nosso Brasil, esse que não deixa nosso presidente governar em que usa criticas ao tratamento precoce contra o covid. Se a esquerda prestar mais atenção no Brasil ao inves de BBB ja estariamos no top 1 do combate ao covid. De resto o mesmo texto chulo de sempre.

Maizum Fandofinas
Maizum Fandofinas
13 dias atrás

Como que é?? Mais de mil mortes cada dia e esse tal Valdir Angeli falando que ninguém deixa o Bolsonaro trabalhar?? Caraio!?

Oleúde José Ribeiro
Oleúde José Ribeiro
13 dias atrás

Oi Finas, gostaria de sugerir uma pauta pro blog zapper: Falar das pessoas que perdemos nos últimos tempos enquanto o blog estava fora do ar. Tem dois nomes que merecem ter essa homenagem pra começar: o importantíssimo jornalista Paulo Cesar Cavalcanti, e um dos maiores produtores brasileiros de todos os tempos, Carlos Eduardo Miranda. Que tal?

Valdir Angeli
Valdir Angeli
12 dias atrás

Você sempre colocando fakes seus para te defender. Não ia mais comentar nesse “blog” mas faço o ultimo esforço. Finatti vc diz que nosso presidente é o pior lider em combate na pandemia? Voce mora na venezuela por acaso? Me diz dos tratamentos precoce das doses de cloroquina que salvaram vidas e mais vidas, e agora o spray de Israel , daqui a 6 meses pelo menos aqui no Brasil essa pandemia a vai estar bem encurtada, a não ser q esse esgoto esquedista atrapalhe apelando para o lixo do stf ou para esse governador de esquerda o ditadoria. Patético. No mais passar bem Finatti, e lembre se q vc também é grupo de risco.

maizum fandofinas
maizum fandofinas
11 dias atrás

Carai!! Esse Valdir pensou que eu era fake teu?? Kkkkkkkkkkk Depois dessa, eu vou deixar crescer barba e pintar de azul!! Abs

Vasco Faé
Vasco Faé
10 dias atrás

Maizum fandofinas é o finas hahaha

Oleúde José Ribeiro
Oleúde José Ribeiro
7 dias atrás

Finas, não sei se vc sabe, mas vc também vive de bicos. Não fale mal do seu vizinho pela maneira como ele ganha dinheiro. E autismo é com a letra U, não L.

maizum fandofinas
maizum fandofinas
6 dias atrás

Sabe as notícias tipo “Chico Buarque entra na padaria”, “Caetano Veloso pára o carro no Leblon”, “Grazi Massafera sai pra rua de celular na mão”?! Agora o mundo conheceu mais uma bombástica: “Humberto Finatti come costela assada”. Kkkkkkk

Não liga, Finatti, vc é personagem muito mais interessante que esses Valdir Oleoso que aparecem pra encher teu saco.

Agora, Finatti, vc sabe o que é bom pra costela assada?!
Resposta: Hipoglós.

Abs